CROSP Araraquara: 11.004 - Dr. João R. Gonçalves CRORT 29.221 - CROSP São Carlos: 16.033 - Dr Luciano Rezende da Cunha CRORT 86422
25 years
25 years
25 years
25 years
25 years

Academia Americana de Dor Orofacial (AAOP) o define como sendo uma atividade parafuncional diurna ou noturna incluindo o ranger, apertar e cerrar dos dentes. Atualmente, o bruxismo pode ser diagnosticado por meio do exame do sono chamado polissonografia. Além disso, existem outros fatores que auxiliam o diagnóstico como o relato do parceiro de quarto e a presença de facetas de desgaste nos dentes.

 Classificação

Tanto o bruxismo diurno quanto o noturno podem ser classificados como:

Primário: quando ocorrem sem causa específica;

Secundário: quando ocorrem na presença de distúrbios neurológicos ou psiquiátricos (doença de Parkinson, depressão e esquizofrenia), ou em decorrência de uso de medicação (neurolépticos, anfetaminas, antidepressivos inibidores da recaptação de serotonina).

 Quem pode sofrer com isso?

A prevalência varia de acordo com a faixa etária. Números aproximados indicam que o bruxismo do sono está presente em:

– 20% das crianças;

– 8% dos adultos;

– 3% dos idosos.

 Por que o bruxismo acontece?

As causas ainda não estão claramente definidas. Há indícios que seja multifatorial, envolvendo fatores periféricos (como o formato dos dentes e a maneira como eles se tocam) e fatores centrais (como a neurofisiologia do sono: despertares do sono e alterações nas reações químicas cerebrais). Mesmo com a associação entre oclusão e bruxismo, não há evidência de que a correção da má oclusão conduza à resolução do caso.

 O estresse pode causar bruxismo?

O bruxismo pode ser influenciado por fatores sociais e psicológicos (estresse e ansiedade), variando de acordo com o grau de tensão emocional. Porém, ele também pode estar presente em pessoas que não se encaixam nesse perfil psicológico.

 Bruxismo, Dor e DTM

O bruxismo, por muito tempo, foi considerado uma das causas de DTM e acreditava-se que o controle da dor associada ao quadro estava diretamente ligado à diminuição dos episódios de bruxismo.

 A dor presente em pacientes com bruxismo, ocorre devido à fadiga de alguns músculos da mastigação, principalmente o masseter e o temporal, decorrente do ranger ou apertar dos dentes durante o sono.

 Hoje sabemos que não é possível estabelecer a relação causa-efeito entre bruxismo e DTM, mas podemos considerar o bruxismo como um fator que contribui para o quadro de DTM.

 Consequências do Bruxismo

As possíveis consequências do bruxismo são:

– desgaste ou fraturas de dentes;

– dores crônicas na face;

– dor de cabeça ao acordar;

– cansaço mandibular ao acordar;

– dor cervical;

– travamento da mandíbula;

– dificuldade de abrir totalmente a boca;

– alterações na ATM;

– mordida desconfortável.

 Tratamento

O tratamento para o bruxismo do sono pode englobar diversas modalidades incluindo medicação, higiene do sono, relaxamento, terapia comportamental e placas intra-orais.

As placas são indicadas com a finalidade de proteger os dentes e/ou de reduzir dores nas estruturas orofaciais relacionadas.

Visando também o controle da dor muscular ou articular que pode estar associada ao bruxismo, a utilização de aparelhos de laser e TENS também é indicado.

 Curiosidade: Entendendo o bruxismo e o sono

O sono é composto por cinco fases: estágios 1, 2, 3 e 4 e sono REM. Essas fases são cíclicas e se repetem de 4 a 5 vezes durante a noite.

 É possível que o bruxismo ocorra em breves intervalos em que o cérebro esteja mudando de estado de sono para o estado de despertar (ou vigília). Estes períodos são chamados de micro-despertares e são definidos por mudanças abruptas na atividade cerebral que duram de 3 a 15 segundos. Durante esses períodos, ocorre aumento do ritmo cardíaco e do tônus muscular.

Além disso, a atividade da musculatura da mastigação inicia-se minutos antes do estágio do sono REM, sugerindo que algum mecanismo relacionado com a transição dos estágios do sono esteja envolvido com neurônios responsáveis pela contração muscular, facilitando, assim, o início do bruxismo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

HTML tags are not allowed.