25 years
25 years
25 years
25 years
25 years

Área de Atuação

Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial (Tratamento da Dor Orofacial)

Dor Orofacial

A face é o objeto de estudo de diferentes profissões e especialidades médicas. Essa perspectiva reflete a complexidade desse pequeno segmento do corpo humano. Ao mesmo tempo, dificulta a compreensão, o diagnóstico e o tratamento de algumas dores orais e/ou faciais.

As dores orofaciais são as condições dolorosas associadas aos tecidos duros e moles da cabeça, da face, do pescoço e de todas as estruturas bucais. Podem ser causadas por doenças primárias da boca, como cárie, periodontite e feridas; podem ser consequfência de doenças sistêmicas, como artrite reumatoide e fibromialgia; ou podem ser irradiadas de outras partes do corpo como a angina do peito e infarto agudo do miocárdio.

As dores orofaciais que persistem após tratamentos odontológicos de rotina podem frustrar os profissionais que não são especialistas na área e estes podem acabar duvidando da veracidade da condição dolorosa.

Dentre as dores orofaciais pode-se citar:

1. Dor de dente – é a mais frequente e pode ser a mais desconcertante de todas. Em alguns casos, o pacientes pode relatar dor NO dente, porém a causa da dor não ser dentária. Por isso o diagnóstico deve ser diferenciado.

2. Neuralgia do trigêmeo – causa muito sofrimento por ser muito intensa. O paciente sente um choque na boca às vezes desencadeado por ações banais como engolir, escovar os dentes ou lavar o rosto.

3. Síndrome da ardência bucal – a boca queima embora não haja lesões. Atinge principalmente mulheres em fase pré e pós-menopausa. Os familiares normalmente relatam não acreditar que o paciente tenha alguma doença, o que lhe causa grande sofrimento.

4. Disfunção Temporomandibular (DTM) – pode ser uma condição dolorosa crônica de origem muscular, articular (articulação temporomandibular – ATM) ou mista. Apesar de ter diagnóstico relativamente fácil, normalmente é mascarada pela complexidade da história da doença podendo ser confundida com cefaleias, sinusites e dores de ouvido. Estudos científicos ainda não conseguem identificar a etiologia das dores musculares por DTM em razão da complexidade morfofuncional do aparelho mastigatório. Por isso, admite-se que, assim como ocorre nas demais regiões do corpo, a etiologia dessas dores musculares seja multifatorial.

 

SINAIS E SINTOMAS DE DTM

Dor espontânea ou provocada, normalmente desencadeada pela movimentação da boca;

Diminuição da abertura bucal;

Irregularidades nos movimentos da boca;

Travamento da boca aberta ou fechada;

Alteração súbita na mordida;

Ruídos na ATM;

Alterações otológicas (dor de ouvido, tontura, zumbido, ouvido entupido).

 

BRUXISMO

O bruxismo é definido como atividade parafuncional diurna ou noturna incluindo o ranger, apertar e cerrar dos dentes. Quando o paciente não sabe referir história anterior de bruxismo, este pode ser observado a partir da presença de facetas de desgaste que não possam ser interpretadas como resultado da função mastigatória. A história atual de bruxismo pode ser identificada por meio de um exame do sono chamado de polissonografia.

O bruxismo pode ser primário, quando não existe nenhuma outra causa que explique sua presença, ou secundário, quando ocorre na presença de distúrbios neurológicos ou psiquiátricos (doença de Parkinson, depressão, esquizofrenia) ou em decorrência de medicação (neurolépticos, anfetaminas, antidepressivo inibidores da recaptação da serotonina).

 

 

 

Voltar